Páginas

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Horários de atendimento - Final de ano

Prezados clientes,

Na última semana do ano trabalharemos nos seguintes horários:

- Sábado:
09:00 às 18:00 (Celulares de Plantão)

-31/Dezembro:
09:00 às 12:00h  - Hipcom (11) 3675 0789
12:00h às 18:00h (Celulares de Plantão)

- Domingo e Feriado (01/Dezembro):

09:00 às 14:00h (Celulares de Plantão)







sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Governo de São Paulo parcela pagamento de ICMS das vendas de Natal

O governador Geraldo Alckmin assinou medida que facilita o recolhimento do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelo varejo no mês de dezembro.

O Decreto nº 58.757, publicado hoje (21/12) no Diário Oficial do Estado, beneficia 101.348 estabelecimentos varejistas ao permitir o pagamento do imposto relativo às vendas de Natal em duas parcelas. Com isso, os lojistas de São Paulo poderão contar com um reforço no fluxo de caixa no início do ano, já que terão até fevereiro para recolher a totalidade dos tributos das vendas de Natal.

O pagamento parcelado do ICMS é facultativo, isto é, o varejista avaliará se é conveniente para ele dividir em duas parcelas. Ele será efetuado da seguinte forma: 50% no mês de janeiro de 2013 e 50% no mês de fevereiro de 2013, com dispensa de juros e multas, desde que a primeira parcela seja paga até 21/1 e a segunda até 22/2.

Caso o contribuinte opte pelo pagamento em duas vezes, deverá efetivá-lo por meio de Guia de Arrecadação Estadual (Gare), disponível no site da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (www.fazenda.sp.gov.br). O decreto atende à solicitação feita por entidades representativas do setor varejista.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Prezados clientes,

Informamos que o site da Receita está temporariamente fora do ar. A previsão de retorno é as 16:30h do dia de hoje (12/12/2012).

Caso estiver aparecendo uma mensagem de erro ao enviar os arquivos para a Receita no programa Notwin, pedimos para aguardar até que o site se reestabeleça.

Clique aqui para entrar no site da Receita.


Fonte: Secretaria da Fazenda

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Brasileiro saberá quanto paga de Imposto

A partir de junho de 2013, o consumidor deve receber notas fiscais detalhando o valor dos impostos embutidos no preço de produtos ou serviços adquiridos. A Lei 12.741/12 foi publicada na edição desta segunda-feira (10) do Diário Oficial da União, após ser sancionada com vetos pela presidente Dilma Rousseff. 

A primeira mudança em relação ao texto aprovado pelo Congresso Nacional é que deverão ser identificados sete, e não nove tributos.
Informações referentes ao Imposto de Renda e a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) foram vetadas pela presidente.
Outro veto diz respeito à parte do texto que determinava a identificação do tributo mesmo que estivesse sendo questionado na Justiça ou em processo administrativo.
Os sete impostos que deverão constar na nota fiscal são: IOF (Imposto sobre Operações Financeiras ), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), PIS/Pasep, Cofins, Cide (Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e ISS (Imposto sobre Serviços).

A Lei entra em vigor em junho


Para que os estabelecimentos comerciais tenham tempo para se adaptar às novas regras, a lei só entra em vigor seis meses após ser publicada.
A partir daí, quem descumprir a lei pode ser enquadrado no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90). A pena inclui multa, suspensão da atividade ou cassação da licença de funcionamento.
A lei é fruto de uma iniciativa popular que reuniu aproximadamente 1,56 milhão de assinaturas coletadas pela campanha nacional De Olho no Imposto, da Associação Comercial de São Paulo.
Na semana passada, um grupo de manifestantes reuniu-se em São Paulo para pedir a aprovação da medida pela presidente. 

Serviços financeiros


No caso dos serviços financeiros, as informações sobre os tributos deverão ser colocadas em tabelas fixadas nos pontos de atendimento, como agências bancárias.
O IOF deverá ser discriminado somente para os produtos financeiros, assim como o PIS e a Cofins, somente para a venda direta ao consumidor.


Contribuição previdenciária e importados


A lei também estabelece que a nota fiscal deverá trazer o valor da contribuição previdenciária dos empregados e dos empregadores sempre que o pagamento de pessoal constituir item de custo direto do serviço ou produto fornecido ao consumidor.
Sempre que os produtos forem fabricados com matéria-prima importada que represente mais de 20% do preço de venda, os valores referentes ao Imposto de Importação, ao PIS/Pasep e à Cofins incidentes sobre essa matéria-prima também deverão ser detalhados.

Fonte: Uol